A Resistência (Julián Fuks)

Título: A resistência
Título Original: A resistência
Autor: Julián Fuks
Ano de Publicação Original: 2016
Ano de Publicação no Brasil (esta edição): 2016
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 139
Gênero: Biografia/ficção

Resenha por Barbara Filippini.

Resistência – resistir como ser humano, como ato político advindo dessa nossa peculiaridade racional. Durar. Não ceder. Resistência pode trazer resiliência – não ceder, mas adaptar-se.

Pensei que esse livro traria uma profunda análise derivada do seu título que pode parecer raso, mas é tão profundo. Cheguei a me animar com o começo. O autor nos remete à uma ideia de narrar a existência de seu irmão adotivo entrelaçado com seus próprios questionamentos, mas então escorrega por outras nuances… fosse isso bem efetuado o livro seria sensível. Mas faltou muito para que trouxesse a carga emocional que soprou como um segredo à quem o quisesse ler.

O autor viaja por aspectos familiares, MAS – e aqui um “mas” bem grande – freia a narrativa em todas as partes por querer se explicar e dizer que talvez não seja bem assim. Ora, todos sabemos que memórias podem se moldar ao nosso jeito de sentir e pensar e, por isso mesmo, às vezes podem se deturpar do que realmente aconteceu… mas partir daí para ficar a todo instante lembrando o leitor que o que ele narra pode não ter acontecido? Digo: em algum momento aconteceu sim, na mente do escritor! E isso basta para que se deixe fluir e narrar sem interromper o fluxo de quem deseja navegar nas palavras sem ser parado a todo instante para averiguar aspectos de “veracidade”.

avos-da-prac%cc%a7a-de-maio

Mães da Praça de Maio – Argentina Foto: Google Imagens

Outro ponto que muito me incomodou foi o fato de o livro falar sobre o autor e SOMENTE sobre o autor. Fala sobre o irmão? Fala sobre os pais? Fala sobre as mães da praça de maio da Argentina? Não. Todos esses são filamentos utilizados para falar apenas da fraqueza do escritor e da tentativa de uma narrativa emocionante… a qual nunca acontece.

Coloquei o gênero como biografia logo acima na descrição do livro, mas apenas como catalogação. Porque não é, de forma alguma, biografia. Não que eu queira que algo se encaixe em algum título específico e ponto. Não é isso. Apenas quero dizer que o livro falha e peca muito em se jogar em vários aspectos que não consegue percorrer.

SOBRE O AUTOR – JÚLIAN FUKS

Nasceu em São Paulo, em 1981. É autor de “Procura do romance” e “Histórias de literatura e cegueira”, ambos finalistas dos prêmios Jabuti e Portugal Telecom. Foi eleito pela revista Granta um dos “melhores jovens escritores brasileiros”. Para escrever esse livro contou com o prêmio Icatu de Artes. Também ganhou, com o livro “A Resistência”, o 58º Prêmio Jabuti na categoria ficção.

Você pode gostar...

Comente!

%d blogueiros gostam disto: